Uma convulsão resulta de atividade neurológica súbita e anormal - basicamente, é um tipo de tempestade elétrica no cérebro. Tanto em humanos quanto em cães, as convulsões podem se originar de uma infinidade de causas, mesmo quando acompanhadas por uma alteração ou perda de consciência. Podem durar alguns segundos, vários minutos ou, nas piores situações, horas.

Dependendo do problema, o tratamento pode ser tão simples quanto uma dose regular de medicação. No entanto, convulsões relacionadas com doenças cerebrais podem resultar em danos cerebrais, ou mesmo morte, se não forem tratadas.

Compreender as causas e tipos de convulsões em cães pode tornar a experiência menos estressante.

Sintomas de convulsões em cães

A maioria das convulsões não é considerada com risco de vida, no entanto, elas indicam um problema no cérebro do cão. Se você perceber que seu cão está agindo de forma instável ou nervoso, em seguida, desmaiando, sacudindo e espumando pela boca, definitivamente está tendo uma convulsão.

As convulsões podem às vezes ser o resultado de envenenamento ou fatores ambientais, portanto, ter uma breve convulsão pode não ser uma necessidade de se preocupar.

No entanto, várias convulsões consecutivas ou convulsões que duram mais de cinco minutos são consideradas uma situação de emergência que pode ser fatal.

Ligue para o seu veterinário imediatamente. A ocorrência de mais de três ataques em um período de 24 horas também é um assunto urgente que requer uma viagem ao veterinário imediatamente.

E mesmo se a convulsão foi breve e não recorrente, ainda é melhor agendar uma consulta com o veterinário, mesmo que ele esteja agindo normalmente.

Tipos de Convulsões

Convulsões em cães são categorizadas como generalizadas (corpo inteiro, convulsivo), focal (leve e isolada a uma área específica do corpo) ou cluster (acontecendo em sucessão).

Muitas vezes, as convulsões são precedidas por um período de ansiedade, inquietação ou apreensão, chamado de "fase pré-ictal". A apreensão em si é chamada de "ictus". Após a convulsão está...

... a "fase pós-ictal", que pode envolver vários minutos a horas de desorientação, estupor ou cegueira.

As convulsões generalizadas (também chamadas de convulsões tônicas ou clônicas) afetam todo o corpo e são caracterizadas por rigidez total ou por movimentos espásticos involuntários. O cão pode perder o controle de sua bexiga e intestinos e alguns cães podem até vocalizar durante o evento.

Crises focais, às vezes chamadas de crises parciais, são isoladas em uma parte específica do cérebro e, portanto, afetam uma parte específica do corpo.

As convulsões focais são tipicamente muito leves e podem ser caracterizadas por espasmos faciais ou nos membros. Às vezes, uma crise focal parecerá um desmaio ou um breve período de desorientação, ou o cão pode se engasgar compulsivamente no ar (às vezes chamado de "picada de mosca").

As crises de cluster referem-se a uma série de convulsões que ocorrem dentro de um período de 24 horas. Cães que experimentam convulsões cluster precisam de tratamento médico imediatamente e devem ser vistos naquele dia por um veterinário.

Causas de Convulsões

As convulsões ocorrem por diversos motivos. Seu cão pode estar tendo uma reação a uma toxina ou alérgeno ambiental. Pode estar sofrendo de uma infecção bacteriana ou viral, facilmente tratada por antibióticos ou drogas antivirais. Em casos mais graves, seu cão pode estar sofrendo de uma doença cerebral, como a epilepsia idiopática, ou um distúrbio do fígado ou da tireoide. Por fim, anormalidades estruturais ou tumores (malignos e benignos) também podem contribuir para convulsões em cães.

Tratamento

Se o seu cão tiver uma convulsão, a primeira coisa a fazer é chamar seu veterinário. Ele vai executar testes de diagnóstico, começando com exames de sangue e um exame físico, em um esforço para diagnosticar a causa. Se o teste inicial for inconclusivo, um neurologista veterinário pode realizar uma tomografia computadorizada, uma ressonância magnética ou realizar um toque do líquido cefalorraquidiano (LCR) para obter mais informações sobre...

... a condição do seu cão.

Felizmente, a maioria das convulsões em cães pode ser regulada com medicação e mudanças na dieta. Mas dependendo da causa, simplesmente evitar um alérgeno ou substância tóxica, fortalecer o cérebro ou o fígado, ou usar terapias alternativas, como a acupuntura, pode ajudar.

Às vezes, como no caso de um tumor, o seu o cão precisará de cirurgia antes que seus episódios de convulsão se resolvam. É importante que você siga as recomendações do seu veterinário para um bom resultado.

Uma convulsão prolongada ou uma série de convulsões que ocorrem continuamente são chamadas de status epilepticus. Esta é uma situação terrível que, se não for tratada, pode levar a danos cerebrais, hipertermia (temperatura corporal elevada) e até a morte.

Cães em estado epiléptico necessitam de hospitalização e muitas vezes precisam de uma infusão constante de medicação para parar as convulsões.

Doença Cerebral em Cães

A epilepsia canina é uma doença idiopática sem causa conhecida. O início típico varia entre as idades de um a cinco anos e a história da raça e da família pode desempenhar um papel no seu desenvolvimento.

Não há um teste específico para diagnosticar a epilepsia, portanto, o teste de diagnóstico avançado (como tomografia computadorizada, ressonância magnética e punção lombar) é frequentemente recomendado para descartar outras causas.

No entanto, às vezes, um diagnóstico presuntivo é feito quando um cão se encaixa nos critérios para a doença. Muitos cães epilépticos respondem bem à terapia medicamentosa, precisando ao longo da vida para manter um estilo de vida feliz.

Como prevenir convulsões

Com uma infinidade de causas, existem apenas algumas maneiras de prevenir convulsões em cães. Uma medida preventiva é manter seu cão longe de substâncias tóxicas e venenos como solventes e anticongelantes. Se o diagnóstico revelar um alérgeno ambiental, evite esse gatilho e mantenha um estilo de vida saudável alimentando seu animal de estimação com alimentos de alta qualidade e fazer exercícios.

Convulsões e Doença Cerebral em Cães