Paralisia em cães
Autor: Ozzy the Boss

Paralisia em cães

A capacidade de um cão para se movimentar e executar suas atividades diárias depende da capacidade do cérebro, espinha, nervos e músculos.

Perda de movimento corporal em cães

A capacidade de um cão para se movimentar e executar suas atividades diárias depende da capacidade do cérebro, espinha, nervos e músculos para coordenar em conjunto.

Este complexo sistema de comunicação envolve nervos no cérebro que emite mensagens sobre o ambiente exterior ao corpo, e o corpo que emite mensagens ao cérebro a respeito do que está experimentando realmente no ambiente.

Estas mensagens são transmitidas através de nervos na medula espinhal, que é embutido na coluna vertebral, ou espinhal,. Juntos, os nervos no cérebro e medula espinhal compõem o sistema nervoso central do corpo.

Um trauma em qualquer parte do caminho do nervo pode resultar em falta de comunicação ou completa ausência de comunicação para o cérebro ou corpo, e uma incapacidade de coordenar os movimentos do corpo.

A coluna vertebral em si consiste de um conjunto de 24 ossos chamados vértebras, que são separados uns dos outros por pequenos coxins chamados discos intervertebrais. Juntos, as vértebras e os discos intervertebrais protegem a espinha dos danos. Trauma nas vértebras ou discos pode criar uma vulnerabilidade para os nervos dentro da medula espinhal, resultando em mais trauma para o caminho neural.

Quando um cão está experimentando paralisia, é frequentemente porque as comunicações entre a medula espinhal e o cérebro foram interrompidos.

Em alguns casos, o cão não será capaz de mover as pernas em tudo, uma condição de paralisia total, e em outros casos, ainda pode haver alguma comunicação entre o cérebro e a espinha eo  cão só vai parecer ser fraco, ou terá dificuldade em mover as pernas, uma condição chamada paralisia parcial. Há também casos em que um cão pode ser paralisado em todas as quatro pernas (tetraplegia), e em outros, o cão pode ser capaz de controlar o movimento em algumas de suas pernas, mas não todos. Isto é determinado pela localização no cérebro, espinha, nervos, ou músculos que o trauma ocorreu.

Algumas raças são mais propensas do que outras.

Os cães que são baixos e com costas longas, tais como o Dachshund e Basset, são afetados geralmente por discos vertebrais rompidos que colocam a pressão na medula espinhal, uma circunstância chamada doença do disco intervertebral. Algumas raças são geneticamente predispostas a uma condição chamada mielopatia degenerativa, uma doença que ataca os nervos nas espinhas dos cães mais velhos (acima de sete anos).

Esta é uma ação lenta, desordem progressiva que eventualmente leva à paralisia das patas traseiras.

Raças afetadas por esta doença incluem o Corgi Galês, Boxer, pastor alemão, Chesapeake Bay Retriever, e Setter irlandês.

Sintomas e tipos

  • Não é capaz de mover todas as quatro pernas (tetraplegia)
  • Não é capaz de mover as pernas traseiras (paraplegia)
  • Andar com os pés dianteiros ao arrastar as patas traseiras
  • Possivelmente dor no pescoço, espinha ou pernas
  • Não é capaz de urinar
  • Não é capaz de controlar a urina, driblar a urina
  • Não é capaz de controlar a defecação
  • Constipação

Causas

  • Mielopatia degenerativa- gene relacionado em pastor alemão, Boxer, Corgi...

    publicidade

    ...Galês, Chesapeake Bay Retriever, idade 7-14 anos; causa é desconhecida

  • Discos deslizados na parte traseira- doença do disco intervertebral
  • Discospondilite- infecção bacteriana ou viral nos ossos da coluna vertebral (vértebra)
  • Infecção ou inflamação na espinha
  • Cinomose
  • Meningomieliti- infecção viral ou bacteriana do cérebro, resultando em falta de comunicação de impulsos nervosos
  • Polimiosite- infecção ou inflamação nos músculos Polineurite-inflamação nos nervos
  • Êmbolo- bloqueio do fluxo sanguíneo para a coluna vertebral
  • Embolia aórtica- fluxo de sangue bloqueado para as pernas traseiras
  • Tumores ou câncer na espinha ou no cérebro
  • Paralisia resultante de picadas de carrapato
  • Botulismo- toxinas bacterianas
  • Miastenia gravis- fraqueza muscular severa
  • Embolismo fibrocartilaginoso- fluido de dentro de um disco ferido entra no sistema arterial e se instala na medula espinhal, criando uma embolia permanente, ou bloqueio; é irreversível, mas não progressiva
  • Hipotireoidismo- baixo nível de tireóide
  • Lesão na espinha
  • Malformação da coluna vertebral ou vértebra

Diagnóstico

Você precisará informar a história completa da saúde do seu cão, o aparecimento dos sintomas, e os incidentes possíveis que puderam ter conduzido a esta circunstância, tal como mordidas recentes do tiquetaque, ou os ferimentos ao saltar ou cair. Durante o exame, seu veterinário vai prestar muita atenção ao quão bem o seu cão é capaz de mover as pernas, e quão bem ele é capaz de responder a testes de reflexo. O veterinário também irá testar a capacidade do seu cão para sentir dor em todas as quatro pernas, verificando a cabeça, espinha e pernas para sinais de dor e alerta para tocar.

Todas essas coisas vão ajudar o seu veterinário para localizar onde na espinha do seu cão, nervos, ou músculos que está tendo um problema. Testes laboratoriais básicos, incluindo uma contagem completa de sangue, perfil bioquímico e análise de urina será conduzido, e pode determinar se o seu cão tem uma infecção bacteriana, viral, ou toxina baseada, que está interferindo com o caminho do nervo. As imagens de raios-x da espinha do seu cão podem mostrar evidência de uma infecção ou malformação das vértebras, ou um disco deslizado que está pressionando contra a medula espinhal. Outras condições que podem levar à ruptura das vias nervosas podem ser aparentes em um raio-x, tais como tumores, bloqueios, ou nervos inflamados.

Em alguns casos, seu veterinário pode requisitar um raio x especial chamado um mielograma.

Este processo usa a injeção de um agente contrastante (corante) na coluna vertebral, seguido por imagens de raios-x que permitirá ao médico ver a medula espinhal e vértebras em mais detalhes. Se estas técnicas de imagem não são úteis, o seu veterinário pode encomendar uma tomografia computadorizada ou imagem de ressonância magnética do cérebro do seu cão e da espinha, ambos os quais dão uma imagem extremamente detalhada do cérebro do seu cão e da espinha.

Em alguns casos, o seu veterinário pode tomar uma amostra do fluido em torno da espinha do seu cão para análise, ou amostras dos músculos ou fibras nervosas para biópsia. Estas análises podem determinar a presença de uma infecção...

publicidade

...no cérebro ou na coluna vertebral.

Tratamento para Paralisia em Cães

O curso de tratamento vai depender da causa da paralisia do seu cão.

Se o seu cão é incapaz de andar, urinar, ou defecar por conta própria, ele provavelmente será admitido no hospital, enquanto o seu veterinário trabalha para resolver um diagnóstico.

De lá o seu veterinário irá monitorar o seu cão diariamente para acompanhar a sua recuperação e progresso.

Se seu cão está com dor, será dado a medicamentação para ajudar a controlar a dor, sua bexiga será esvaziada diversas vezes por o dia pelo cateter, e será ajustada fisicamente durante todo o dia para certificar-se de não ter feridas por ficar em um lugar por muito tempo.

Se a causa da paralisia é a infecção ou um disco que escorregou, a condição será tratada com qualquer medicamento, cirurgia ou terapia.

As drogas anti-inflamatórias serão usadas para reduzir os nervos inflamados. Os tumores ou bloqueios de suprimento de sangue podem ser consertados cirurgicamente, dependendo da vulnerabilidade do local. Alguns cães paralisados se recuperam muito rapidamente. Dependendo da severidade da circunstância, seu cão pode ser mantido no hospital até que possa andar, ou seu veterinário pode emitir seu repouso do cão com você com uma dirctriz para o cuidado e a recuperação em casa. Seu veterinário vai criar um plano para verificações do progresso de modo que o tratamento do seu cão possa ser ajustado conformemente.

Vida e gestão

Seu veterinário irá ajudá-lo a fazer um plano para cuidar de seu cão em casa. Às vezes o seu cão pode resistir ao seu cuidado por causa da dor, mas um cuidado firme e gentil vai ajudar a difundir as reações temerosas. Se possível, pedir a uma segunda pessoa para ajudar a segurar o cão enquanto você está administrando o cuidado, ou enrole o cão para que ele não possa se contorcer muito.

É importante que você se importe com seu cão corretamente para que ele possa se recuperar completamente. Siga todas as instruções do seu veterinário cuidadosamente.

Se seu veterinário prescreveu a medicamentação, seja certo administrar a medicação corretamente, mesmo depois que seu cão parece ter recuperado inteiramente.

Se você tem quaisquer perguntas ou problemas sobre os cuidados de seu cão, pergunte ao seu veterinário para ajudar, e não dar analgésicos, ou qualquer outra droga para o seu cão sem consultar primeiro o seu veterinário, como alguns medicamentos humanos podem ser tóxicos para os animais.

Em alguns casos, se a paralisia não pode ser tratada, mas o seu cão é de outra forma saudável, o seu cão pode ser equipado com uma cadeira de rodas especial (carrinho) para ajudá-lo a se contornar.

A maioria dos cães com carrinhos ajustam bem e continuam a apreciar suas vidas. Escusado será dizer que, se o seu cão foi afetado com uma condição paralisante, ele deve ser castrado para que ele não corra o risco de ser mais ferido pelo acasalamento.

Aviso Saudável
Os conteúdo do artigo "Paralisia em cães" e demais informações divulgadas não devem substituir a orientação ou o diagnóstico de um Médico Veterinário.

publicidade
Pesquisa mais sobre a Saúde e Comportamento dos Pets e Animais de Estimação.

Descubra mais sobre o mundo dos pets

Milhares de artigos sobre saúde e cuidados do seu pet de estimação.